Anemia falciforme – causas e tratamentos


A anemia falciforme é uma doença hereditária especificada pela modificações dos glóbulos vermelhos do sangue, tornando-os correspondente com uma foice, aí ficou conhecido como falciforme. Essas células têm sua membrana modificada e rompem-se mais naturalmente, provocando anemia. A hemoglobina, que transporta o oxigênio e dá a cor aos glóbulos vermelhos, é a principal para a saúde de todos os órgãos do corpo.

Causas da anemia falciforme

A existência da anemia falciforme, é estabelecida por um número  elevado de hemácias pervertidas. Em indivíduos comuns, as células de deslocamento de gases, hemácias (também chamadas como eritrócitos ou glóbulos vermelhos), têm maneira arredondada côncava e flexível, e possuem em si moléculas de hemoglobina, que são o causador por fazer as ligações gasosas. Essa instituição permite que essas células consigam realizar sua função mesmo através dos mais finos capilares.

A constituição dessa hemoglobina, estabelecida por um par genético no cromossomo 11, alterar nos indivíduos falciformes. Neles, há a uma existência de ao menos um gene mutante, que leva o organismo a fornecer a hemoglobina S (HbS). Essa hemoglobina é devida à alteração de um único nucleotídeo que modificar o códon do sexto aminoácido da B-Globina de ácido glutâmico para valina (GAA → GUA: Glu6Val), pois a mutação acontece no DNA, após ser transduzido a homozigosidade para esta alteração é a causa dessa anemia falciforme. Um heterozigoto tem uma mistura dos dois tipos de hemoglobinas, A (HbA) e S (HbS), além de um tetrâmero híbrido de Hemoglobina. Ela consegue transportar o oxigênio mas, quando o mesmo passa para os tecidos, as moléculas da sua hemoglobina se aglutinam em formas gelatinosas de polímeros, Inclusive são chamadas de tactóides, que terminam por distorcer as hemácias, que se tornam duras e quebradiças devido às aletarções na sua membrana.

Sinais e Sintomas

A anemia falciforme pode se demostrar de diversas maneiras em cada indivíduo. Uns têm somente alguns sinais leves, outros demonstram um ou mais sintomas. Os sintomas normalmente surgem na segunda metade do primeiro ano de vida da criança.
anemia falciforme 1Crise de dor: é o sinal mais contínuo da doença falciforme provocado pela obstrução de pequenos vasos sanguíneos pelos glóbulos vermelhos em forma de foice. A dor é mais contínua nos ossos e nas articulações, podendo, porém afetar qualquer parte do corpo. Essas crises têm duração alterável e podem acontecer diversas vezes ao ano. Normalmente são relacionados ao tempo frio, infecções, período pré-menstrual, problemas emocionais, gestação ou desidratação;

Icterícia (cor amarela nos olhos e pele): é o sintoma mais contínuo da doença. O quadro não é transmissível e não deve ser confundido com hepatite. Quando o glóbulo vermelho se rompe, surgir um pigmento amarelo no sangue mais conhecido como bilirrubina, fazendo com que o branco dos olhos e a pele fiquem amarelos;

Síndrome mão-pé: nas crianças pequenas as crises de dor podem acontecer nos vasos sanguíneos das mãos e dos pés, provocando inchaço, dor e vermelhidão no local;

Infecções: as pessoas com doença falciforme têm maior propensão a infecções e, especialmente as crianças podem ter mais pneumonias e meningites. Por isso elas tem que receber as principais vacinas para evitar estas complicações. Ao primeiro sintoma de febre deve-se buscar o hospital onde é feito o acompanhamento da doença. Isto sem dúvida fará com que a infecção seja moderada mais naturalmente;

Úlcera (ferida) de Perna: acontece mais continuamente próximo aos tornozelos, no período da adolescência. As úlceras podem levar anos para a cicatrização completa, se não forem bem cuidadas no começo do seu surgimento. Para evitar o surgimento das úlceras, os pacientes devem utilizar meias grossas e sapatos;

Sequestro do Sangue no Baço: o baço é o órgão que filtra o sangue. Em crianças com anemia falciforme, o baço pode desenvolver muito rápido por sequestrar todo o sangue e isso pode levar rapidamente à morte por falta de sangue para os outros órgãos, como o cérebro e o coração. É uma dificuldade da doença que envolve risco de vida e exige tratamento emergencial.

Diagnóstico

A eletroforese de hemoglobina é o exame laboratorial exclusivo para o diagnóstico da anemia falciforme, mas a existência da hemoglobina S deve ser identificada pelo teste do pezinho quando a criança nasce.
anemia falciformeTratamento

Quando a doença é descoberta, o bebê tem que ter acompanhamento médico indicado baseado num programa de atenção integral. Nesse programa, os pacientes tem que ser acompanhados pela a vida inteira por um grupo com diversos  profissionais treinados no tratamento da anemia falciforme para orientar a família e o doente a descobrir rapidamente os sintomas de gravidade da doença, a tratar corretamente as crises e a praticar medidas para sua prevenção. O grupo é constituído por médicos, enfermeiras, assistentes sociais, nutricionistas, psicólogos, dentistas, etc. Além do que, as crianças devem ter seu desenvolvimento acompanhados, como geralmente é feito com todas as outras crianças que não têm a doença.

Recomendações

-Exija que o teste do pezinho seja efetuado em seu bebê após o nascimento. Se for concluído que é portador de anemia falciforme, encaminhe-o imediatamente para um médico especialista;

-Busque rapidamente assistência se a pessoa com anemia falciforme tiver uma crise de dor. Embora às vezes ela possa ser ajustado em casa com analgésicos, descanso e ingestão de bastante líquido, só o médico poderá avaliar a dificuldade de internação hospitalar;

-Compreenda a febre do portador de anemia falciforme como um sintoma de alerta e não utilize medicamentos sem recomendação médica que acompanha o caso;

-Leve rapidamente para o hospital mais próximo, a criança com anemia falciforme que ficou pálida de repente;

-Lembre-se de que modificações oculares podem acontecer nesses pacientes. Portanto, eles devem ser avaliados periodicamente por um oftalmologista.


•••